A ABRH-Nacional tem um recado para você

Durante mais de quatro anos, o blog da ABRH-Nacional esteve aqui, buscando interagir e levar assuntos relevantes para os nossos leitores – líderes, gestores de RH, funcionários, colaboradores… praticamente qualquer pessoa que vive e respira esse mercado de trabalho.

Agora chegou o momento de mudar para um novo teto, uma nova casa: vamos concentrar nossos esforços em nossa fanpage no Facebook.

Foram quatro anos de sucesso. Neste tempo, publicamos 801 textos de diversos temas. Recebemos mais de 458 mil visitas – uma média de mais de 100 mil visitantes por ano, que deixaram 315 comentários com mensagens positivas e dúvidas. Estas pessoas foram vocês e ficamos felizes de saber que estiveram conosco durante todo este tempo e nos ajudaram a conquistar todas estas marcas.

Trabalhamos agora para melhorar nosso canal de comunicação com vocês. Temos muitos planos para potencializar a nossa página do Facebook em um local de informação e conhecimento, assim como sempre aconteceu em nosso blog, sempre com uma linguagem bem-humorada e próxima do leitor (agora “fã”).

Esperamos agora contar com a sua participação ativa na fanpage da ABRH-Nacional. Curta a nossa página para acompanhar as atualizações e será bem-vindo para comentar sempre que quiser. Na verdade, já existem mais de 4 mil pessoas fazendo isso por lá. Basta clicar aqui para conferir.

O que podemos aprender sobre liderança com a história de Steve Jobs

Faz um ano que o mundo perdeu Steve Jobs. Não é um exagero dizermos que ele foi e continua sendo um dos grandes heróis desta geração. O homem esteve à frente das empresas mais badaladas das últimas décadas – Apple e Pixar –, além de travar batalhas econômicas incríveis, como a disputa do seu iPhone contra os smartphones da Samsung. Mas grande parte do sucesso de Jobs vem de sua forma de montar e liderar equipes vencedoras.

Eric V. Holtzclaw, CEO e fundador da User Insight e cofundador do mundialmente famoso site de viagens Trip Advisor, além de grande fã do trabalho de Jobs, separou quatro dicas fundamentais sobre liderança que podemos aprender com a história do guru da Apple.

Ele tinha vontade de recomeçar

A sua empresa costuma descartar ou refazer projetos que já estão em fases avançadas de produção? Jobs já chegou a cancelar um produto na semana em que seria lançado por não achar que estava bom e começar tudo do zero. Se essa postura deu errado? Bem, quando voltou para a Apple em 1996, ele encontrou uma empresa quase falida e a transformou em uma das mais rentáveis do mundo, com projetos que quebravam as próprias regras da companhia (e do mercado): iPod, iTunes e o iPhone.

Ele queria simplicidade

Processos complexos, projetos cheios de detalhes, produtos com um milhão de funcionalidades. Jobs nunca foi fã de nenhuma dessas coisas e, segundo Eric V. Holtzclaw, burocracias e processos de mais podem atrapalhar a sua empresa, dificultar que seus funcionários realizem tarefas simples e até mesmo privar sua equipe de boas ideias e inovações. “O simples pode ser mais complexo que o difícil: você tem de trabalhar duro para fazer seus pensamentos ficarem limpos e fazer algo simples. Mas vale a pena no final, porque uma vez que você chega lá, você pode mover montanhas”, Steve Jobs.

O caso que melhor exemplifica isso foi quando a IBM mandou para ele um contrato de 125 páginas e Jobs se recusou a ler e pediu que a empresa lhe mandasse um contrato simplificado, pedido que a IBM atendeu em alguns dias.

Ele não tinha medo de falar

Para Eric V. Holtzclaw, ser tímido nunca foi uma boa qualidade na hora de fechar negócios. E Jobs era o contrário disso. Ele sempre esteve confortável no papel de liderança que ocupava e se portava como esperavam dele: era ousado, fazia declarações dramáticas e aquelas perguntas que ninguém mais na sala tinha coragem de fazer, mas que eram iniciativas fundamentais para fechar grandes negócios ou decidir novos rumos para a empresa.

Ele acreditava no potencial dos outros

Jobs costumava dizer que a sua equipe era composta por profissionais “A”. Ele acreditava no potencial de cada um deles. Uma de suas grandes características como líder era motivar este time com seu carisma a ponto de fazê-los acreditar que eram capazes de fazer qualquer coisa, inclusive a realizar os projetos mais incríveis da empresa. Esta “habilidade” ficou conhecida como “Campo de distorção da realidade”, termo que é usado hoje em dia também para descrever o efeito que as palestras de Steve Jobs tinham nas pessoas. Vai dizer que ao assistir o vídeo abaixo você não se sente inspirado e capaz de qualquer coisa?

A importância do estímulo para a inovação

*Por Jessica Marins e Rafael Duarte

Incentivar a inovação é algo que deve partir de dentro das empresas. Mesmo as pequenas atividades devem ser pensadas e analisadas pelos gestores e responsáveis pela área de recursos humanos para evoluir continuamente. É preciso estar sempre em busca de novas técnicas e tecnologias, tendências, observar o que está sendo feito no mercado.

“Precisamos saber lidar com as novas gerações, com as inovações, tecnologias e competências”, afirma Luiz Edmundo Rosa, diretor de educação da ABRH-Nacional. Segundo ele, os consumidores estão cada dia mais exigentes e é preciso colocar o RH no centro das discussões para melhorar a qualidade dos serviços oferecidos.

É preciso estimular a criatividade dos colaboradores – e prestar atenção no que eles estão fazendo de diferente, aprender com isso e incorporar as novas ideias em seus planos estratégicos. Criar um bom ambiente de trabalho é um bom primeiro passo. Por exemplo, disponibilizar livros, obras de arte e boa música em áreas comuns da empresa podem arejar as ideias dos funcionários e inspirá-los a pensar diferente do que fariam sentados o dia inteiro em suas mesas.

O incentivo à inovação e criatividade dos colaboradores pode parecer algo batido, e talvez até o seja mesmo, mas o que o gestor de pessoas fará com estas novas ideias, como ele conseguirá incorporá-las nos planos da empresa para gerar bons resultados para todos os setores, aí sim está o desafio. Não deixe que a inovação e a criatividade fiquem limitadas apenas àquela baia onde o tal funcionário com boas ideias está sentado.

Inovar é preciso. Perceber a inovação e propagá-la para toda a empresa, é o seu dever como RH.

Informativo da ABRH-Nacional no Estadão 06/09/2012

Informativo da ABRH-Nacional no Estadão 22/03/2012Perdeu o Estadão desta quinta-feira? Não se preocupe. Aqui está a versão digital do Informativo da ABRH-Nacional com a divulgação da ação ABRH na Praça, que acontece em doze cidades brasileiras com o apoio das seccionais. Além disso, destaque para os ganhadores do Prêmio Ser Humano na modalidade Gestão de Pessoas, categoria Profissional. Confira aqui.

Informativo da ABRH-Nacional no Estadão 30/08/2012

Informativo da ABRH-Nacional no Estadão 22/03/2012Perdeu o Estadão desta quinta-feira? Não se preocupe. Aqui está a versão digital do Informativo da ABRH-Nacional com uma matéria a respeito sobre o novo curso de Desenvolvimento de Líderes de RH, resultado da união da ABRH-Nacional, Great Place to Work e Ânima Educação. Além disso, destaque para os ganhadores do Prêmio Ser Humano na modalidade Gestão de Pessoas, categoria Empresa. Confira aqui.

CONARH 2012 em números

O CONARH 2012 foi um sucesso. Quem participou do evento pôde perceber isso tanto na Feira de Negócios, por onde passaram 20 mil pessoas que lotaram os 123 estandes das empresas presentes, como nas 154 palestras, onde era difícil encontrar uma cadeira vazia. Foram mais de 3.300 participantes do Congresso.

Na Feira de Negócios, agitação e animação envolveram os presentes. Uma grande diversidade de produtos e serviços para o segmento de Recursos Humanos foi oferecida por empresas que capricharam na decoração, tecnologia e disposição dos estandes, sempre lotados. Personalidades como o ator Reynaldo Gianecchini e o ex-jogador Raí passaram pelos corredores do CONARH e causaram alvoroço, enquanto jogos interativos também entretinham o público.

Além dos quatro auditórios do congresso, quem visitou gratuitamente a Feira de Negócios teve acesso ao Cine ABRH, dois auditórios livres, dois grandes estandes da ABRH-Nacional (Espaço ABRH e Espaço Carreira) com discussões e palestras. Tudo isso complementado por  áreas de convivência distribuídas pelo pavilhão, que propiciavam mais comodidade e  conforto aos visitantes que quisessem fazer uma pausa.

A ABRH-Nacional agradece a todos os profissionais presentes (congressistas, visitantes, voluntários, organizadores, palestrantes, patrocinadores, expositores e profissionais da imprensa) por fazerem parte deste sucesso. E já fica aberto o convite para o CONARH 2013, que acontecerá entre os dias 19 e 22 de agosto.

Balanço do CONARH 2012:
20 mil visitantes
3.300 participantes do congresso
170 palestrantes
154 palestras
34 patrocinadores
123 expositores
2.600 profissionais envolvidos na realização do evento
Mais de 100 voluntários envolvidos na organização
A maior tela de projeção indoor para eventos corporativos do Brasil
Mais de 38 horas de evento

Informativo da ABRH-Nacional no Estadão 23/08/2012

Informativo da ABRH-Nacional no Estadão 22/03/2012Perdeu o Estadão desta quinta-feira? Não se preocupe. Aqui está a versão digital do Informativo da ABRH-Nacional com uma visão geral de como foi o CONARH 2012, evento que reuniu mais de 20 mil pessoas na capital de São Paulo para discutir temas pertinentes aos gestores de recursos humanos. Confira Aqui.