Como fazer uma boa reunião?

Você já deve ter lido o nosso texto sobre a reunião de 22 minutos, certo? Nós achamos que, apesar das ótimas ideias apresentadas pela canadense Nicole Steinbok, faltavam alguns pontos em seu discurso. Por isso, falamos com Cezar Tegon, Diretor de Novos Serviços e Produtos da ABRH-Nacional e presidente da eLancers, para falar um pouco mais sobre o assunto.

Para Tegon, se você pretende marcar uma reunião com a equipe, para que tudo saia bem e a discussão seja produtiva, as suas responsabilidades começam muito antes de entrar na sala. “É necessário que o organizador tenha planejamento sobre o que será tratado. Uma pauta formal deve ser enviada a todos os participantes, com dia e horário de início e término, tópicos que serão tratados e quem será o responsável por cada tópico”, garante.

Planejamento, disciplina e um responsável por organizar e registrar o que foi decidido ou o que ficou pendente na reunião são as chaves para uma discussão mais produtiva e menos enfadonha.  “É fundamental que a reunião comece no horário determinado, em respeito aos presentes”, afirma Tegon. Uma preocupação importante mesmo no Brasil, onde tradicionalmente horários não são muito acatados.

Para não perder o foco da reunião e manter a objetividade nas discussões, Cezar aconselha definir antecipadamente o horário que cada tópico será debatido. O organizador deve ficar de mediador e interferir sempre que um novo assunto, não pertinente para o encontro, seja iniciado, sugerindo que uma nova reunião seja marcada para isso e que todos continuem a seguir a pauta. Além de uma ótima organização antes e durante a reunião, envie um relatório com tudo o que foi decidido aos presentes.

Saiba também que a tecnologia é a sua amiga nas reuniões. Ela permite que pessoas do mundo inteiro participem de uma mesma discussão através de vídeo conferência, e isso é ótimo. “Hoje, os iPhones, iPads e outros tablets em geral têm aplicativos que podem tornar a reunião muito mais produtiva. Existem alguns que gravam toda a reunião e a separa por tópicos, depois todos podem consultar, dentro desse tópico, o que foi dito e realizar as ações recorrentes programadas.”

Ao utilizar aparatos tecnológicos, alguns cuidados especiais devem ser tomados para não colocar a reunião por água abaixo. Reserve a sala com os recursos necessários com antecedência, garanta que tudo esteja funcionando, não superdimensione o equipamento (você não precisa de um projetor para apresentar algo para apenas duas pessoas) e não deixe que os tablets se transformem em uma distração para os presentes.

Cezar Tegon lembra ainda da história de um amigo próximo, um executivo brasileiro, que atuou em uma grande empresa americana durante 3 anos. Durante esse período, ele liderou uma equipe de sete subordinados diretos, com os quais fazia reuniões semanais com pessoas ‘espalhadas’ pelo Estados Unidos. “As reuniões eram marcadas e ninguém perguntava onde, pois todos sabiam que seria uma tele-reunião, se viam por webcam, tratavam dos assuntos pautados, trocavam arquivos, registravam o que havia sido combinado em seus PCs, iPhones, iPads, tablets e partiam para ações. Este é um exemplo real de como uma reunião com tecnologia pode, além de atender os objetivos programados, gerar economia de tempo pessoal, dinheiro e grande aumento de produtividade”, afirma o diretor.

Anúncios

Dicas para conquistar as suas metas em 2012

Juliana Favero tomou uma decisão no final de 2011, destas que se toma para mudar a vida: ela quer melhorar seu salário e crescer profissionalmente em 2012. Parece simples, mas não é. Aumentar o salário acima da inflação e subir cargos em sua empresa – ou até mesmo mudar para outra que te dê melhores oportunidades – exige planejamento e empenho.

Com 28 anos e estudando o segundo ano da faculdade de Administração, Juliana trabalha em uma loja têxtil em Bauru, São Paulo. Mas ela sabe o que precisa ser feito. “Com certeza irei fazer treinamentos e assistir palestras voltados em gestão de pessoas, área que estou buscando para a minha carreira”, conta.

Este já é um primeiro passo importante para Juliana: ter metas bem definidas. Aliás, esta é uma das dicas de Cezar Tegon, Diretor de Novos Serviços e Produtos da ABRH-Nacional, presidente da eLancers e articulista do UOL e da Universidade do Futebol. “Alguma dicas são essenciais para atingir os objetivos, antecipar resultados e buscar novas oportunidades”, garante o diretor. Vamos a elas:

  • Trabalhe todos os dias com se fosse seu primeiro dia na empresa. Lembrem-se: sucesso só vem antes do trabalho no dicionário.
  • Conheça seu perfil comportamental para mapear com mais clareza as áreas e posições que deseja e apontar as atividades nas quais você terá melhor desempenho.
  • Tenha metas bem definidas, documente seu plano e faça revisões periódicas.
  • Faça uso da tecnologia. Em qualquer área ou profissão, tecnologia é fundamental
  • Não se acomode com a situação atual. Contribua, seja participativo. Quando detectar um problema, aponte sempre uma solução.
  • Aproveite o bom momento do mercado e estude. Se não tem uma graduação, faça já; se tem, faça uma pós. Estude um segundo idioma, antes mesmo de fazer uma pós. Se tem um segundo idioma, estude um terceiro.
  • Se puder ter uma experiência no exterior, não perca a chance. Essas vivências fora do país são muito valorizadas pelas empresas.
  • Participe de cursos, seminários, eventos, palestras em sua área de atuação. Dinheiro não pode ser desculpa: existem vários cursos bons e baratos, alguns até mesmo gratuitos
  • Mantenha a sua rede de relacionamentos (networking) ativa.

Não deixe que a sua lista de realizações profissionais para 2012 se perca na gaveta junto com as suas canetas velhas e blocos de notas usados. Arregace as mangas e siga estas dicas que você terá a faca e o queijo na mão para conquistar novas etapas na sua carreira.

Enquete da ABRH mostra que profissionais querem mais qualidade de vida em 2012

No final do ano passado, preparamos uma enquete para saber o que as pessoas esperam realizar em 2012. Os resultados pareciam tão peculiares que resolvemos chamar Cezar Tegon, Diretor de Novos Serviços e Produtos da ABRH-Nacional e presidente da eLancers, para analisá-los e compará-los com as mais recentes pesquisas no meio corporativo. Foi aí que percebemos que os nossos resultados estão perfeitamente alinhados com a realidade do mercado.

A começar pela “qualidade de vida”, a opção mais votada na enquete (28% dos votos), inclusive à frente de “ganhar um salário maior” (25%). “Esse resultado já era esperado. Qualidade de vida é o desejo de todos os profissionais, pois engloba uma série de fatores. Entre eles podemos destacar horários flexíveis, morar mais próximo ao local de trabalho, trabalhar remotamente, liberdade de atitudes e opiniões, acessar redes sociais durante o expediente, espaços para descontração”, exemplifica Tegon.

Existe uma explicação para esta tendência: no final da equação, qualidade de vida pode compensar monetariamente um salário maior. Como? “Se você estiver mais perto de casa, gastará menos combustível e poderá até economizar em estacionamento; se demorar menos tempo para se deslocar, ganhará tempo para a prática de atividades físicas e, consequentemente, ficará menos doente”, explica Cezar.

Outro ponto em comum da nossa enquete com as pesquisas é que os “fins” são mais atraentes do que os “meios”. Apenas 7% das pessoas gostariam de começar um MBA e apenas 4% viajariam ao exterior para se especializar. “É comum as pessoas escolherem primeiro o que desejam e depois o que precisam fazer para alcançar estes desejos”, aponta o diretor.

Em último lugar na enquete, “trabalhar menos” alcançou modestos 3% dos votos, mas também não foi uma surpresa. É claro que você conhece dezenas de pessoas que reclamam trabalhar demais, porém diminuir a carga horária parece não ser a prioridade aqui. “Se você faz o que gosta, na empresa que gosta, com pessoas que gosta, e ainda faz parte de um ambiente que, na sua visão, oferece qualidade de vida, com certeza chegará em casa com mais disposição e dará menos valor à possibilidade de trabalhar menos”, afirma Cezar Tegon.

Pelo visto, qualidade de vida não é apenas a primeira opção mais votada, mas também o motivo pelo qual as pessoas não votaram nas outras. Na semana que vem, traremos dicas de Cezar Tegon para quem quer alcançar as metas em 2012.

12 dicas para construir um poderoso networking

Contatos profissionais são preciosos. Estabelecer um networking não se trata apenas de colecionar cartões de visita e fazer amizades no trabalho, mas é uma ferramenta importante com a qual é possível resolver problemas ou até obter novas oportunidades de trabalho. “Networking é uma forma organizada, direcionada, baseada em uma metodologia, que ajuda as pessoas a obterem resultados através de outras pessoas que conhecem”, define Elaine Saad, vice-presidente da ABRH Nacional.

Reunimos três representantes da ABRH Nacional para saber as suas principais dicas para quem quer construir um networking profissional eficiente. Confira:

Leyla Nascimento, presidente da ABRH Nacional

Estabeleça contatos com profissionais da sua futura área profissional

Está pensando em mudar de área? Conhecer pessoas que já atuam com o que você pretende trabalhar pode te colocar com um pé na profissão. “Isto o ajudará na tomada de decisão”, explica Leyla.

O importante não é colecionar cartões de visita, mas sim quantas vezes você está na agenda do outro

Ter uma gaveta cheia de cartões de visita de pessoas que não se lembram de você não serve para muita coisa, você seria como um estranho pedindo favores. “Para ser lembrado, tem que se relacionar no mercado de trabalho”.

Faça estágio!

Você é novo na área e ainda não conhece ninguém? Faça estágio. “É a melhor forma de exercer a prática”, diz Leyla. Além disso, você estabelecerá muitos contatos profissionais que serão parte fundamental do seu networking.

Elaine Saad, vice-presidente da ABRH Nacional

Sempre que você oferecer algo antes de pedir, suas chances de resultado aumentam

Por que ajudar uma pessoa que te procura? Pense que a comunidade da qual você faz parte também pode te socorrer no futuro. Então o melhor a fazer é oferecer algo para ser lembrado positivamente quando você precisar, e não como aquele que apenas pede favores.

Persistência é necessário, e bastante efetivo

Esteja constantemente em contato com as pessoas do seu networking e não desista de ninguém. Desta forma você será sempre lembrado.

Não julgue uma pessoa por parâmetros seus de comunicação e contato

Você já ouviu dizer que não devemos julgar o livro pela capa? Assim funciona com as pessoas. Muitas vezes não temos uma boa impressão delas simplesmente porque ainda não nos deparamos com as suas principais qualidades, que podem ser muito úteis para você no futuro.

Networking é um processo efetivo porque gostamos de ajudar àqueles que conhecemos

Sabe quando aparece uma vaga muito boa na sua empresa e você se lembra de um amigo que está precisando e o ajuda a conseguir o emprego? Isso é networking! Fazemos isso porque gostamos de ajudar os conhecidos. E eles farão o mesmo se puderem se lembrar de você. Portanto, esteja sempre presente.

Cezar Antonio Tegon, Diretor de Novos Serviços e Produtos da ABRH

Deixe uma imagem boa por onde passar e tenha contato ativo com quem se relaciona

É preciso ter um bom relacionamento com todos os profissionais com quem você trabalhar. “Agindo dessa forma você será sempre uma referência positiva e conseqüentemente manterá o seu networking ativo”, explica Cezar.

Se mudar de área, conte para todo mundo

“Mantenha o seu grupo de relacionamento informado sobre suas atividades profissionais, mudança de emprego, promoções, um novo empreendimento, um grupo que participe ou lidere, etc.”. É preciso que eles saibam quais são as suas novas atividades caso precisem de ajuda ou possam te oferecer algo na sua nova jornada.

Acesse as Redes Sociais

Redes sociais oferecem maneiras bem fáceis de estabelecer contatos. “As empresas e grande parte de seus executivos consultam essas redes, portanto ao fazer um perfil, evite brincadeiras inadequadas, podem ser mal interpretadas por quem ainda não te conhece. Entre em grupos relacionados à sua área de atuação, dê opiniões, proponha soluções, conte suas experiências e evite falar de problemas e fazer criticas”.

Participe de eventos (cursos, seminários, palestras, reuniões, etc.)

“Eventos presenciais, principalmente os ligados à sua área de atuação e à sua posição, são fundamentais para manter seu networking”. Estar em uma palestra com diversos profissionais é uma oportunidade de ouro para estabelecer novos contatos. Alguns palestrantes até praticam dinâmicas de grupo para ajudar no relacionamento dos presentes.

Colabore com os membros do seu networking e esteja sempre presente

“Estar presente é fundamental para manter o networking ativo”, garante Cezar. Um email ou um telefonema, principalmente em datas especiais como aniversário ou uma promoção, não exigem muito tempo e são suficientes para cultivar os relacionamentos. “Não procure o grupo apenas nos momentos que precisa de ajuda, criar uma imagem de que “só procura o grupo quando precisa” é difícil de mudar e tem conseqüências desastrosas para o networking.

Como tornar a vaga temporária em efetiva?

Respeitar o horário de trabalho, ter boa comunicação e iniciativa são algumas dicas para obter a efetivação do cargo temporário. De acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário (Asserttem), serão abertas, até o final do ano, cerca de 150 mil vagas. Grande volume das vagas está disponível no comércio, principalmente em shoppings, no entanto, não podemos esquecer que as empresas produtoras também contratam muita gente nessa época do ano.

“Essa é uma ótima oportunidade para quem está em busca da primeira oportunidade no mercado de trabalho, pois, muitas vezes, a vaga temporária não exige experiência”, alerta Cezar Tegon, Diretor de Novos Serviços e Produtos da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Nacional).

Segundo o executivo, cerca de 30% dos empregados temporários são contratados, efetivamente. “Muitas vezes, a pessoa não é contratada logo que termina o período temporário, no entanto, é muito comum que, ao surgir uma vaga efetiva, a pessoa que mais se destacou no período temporário é chamada para ocupá-la”, explica Tegon.

Alguns comportamentos e ações auxiliam a avaliação do funcionário e podem ajudá-lo em uma possível efetivação. “É importante respeitar o horário de trabalho; não tratá-lo como um “bico”; ter interesse pelas tarefas da empresa e pela própria empresa; ser útil para os outros, desta forma, sentirão a falta do profissional; ter iniciativa, força de vontade, boa comunicação, bom humor e trabalhar como se fosse o primeiro dia no emprego, com a mesma motivação”, indica o diretor da ABRH-Nacional.

Apesar de o currículo ter sido informatizado, muitas empresas pequenas ainda recebem currículo em papel, então, é preciso ter sempre as duas opções em mãos, sem esquecer que o currículo deve ser simples e objetivo. Uma dica que não deve ser desperdiçada, também, é a de procurar sites que oferecem vagas de emprego e fazer cadastro para diversas oportunidades. “Procurar emprego é como se fosse um emprego. Tem que procurar todos os dias”, aponta o Diretor.

O currículo morreu?

Há alguns anos, quando era necessário encontrar um emprego, o candidato listava em um papel as suas competências, estudos e experiências anteriores e saia à caça de uma oportunidade. Com a popularização da tecnologia e o aumento da competitividade do mercado de trabalho, estão sendo criadas novas oportunidades na procura por novas vagas, como os processos seletivos via redes sociais. Seria então o fim dos tradicionais currículos em papel?

De acordo com Cezar Tegon, presidente da Elancers e membro do Comitê de Criação do CONARH, os currículos em papel começam a cair em desuso. “Ele ainda não morreu, mas está agonizando na UTI. As empresas não utilizam o material para nada, apenas empilham em um canto”, explica o consultor. Ele ainda afirma que o envio de currículos pelo e-mail está indo para o mesmo caminho.

Como inovar?

Uma das alternativas para sair da mesmice pode ser o vídeo currículo, um filme em que o profissional apresenta suas competências, conhecimentos e objetivos. Essa prática opção pode até mesmo substituir uma primeira entrevista. “É preciso tomar cuidado com o tempo do vídeo. Não deve ultrapassar 4 minutos”, afirma Cezar.

Outra forma de inovar é apresentar as suas qualificações por meio de um portfólio. “Isso é mais comum em empresas de marketing e projetos, em que o candidato tem que mostrar exemplos de trabalhos”, declara Tegon. Porém, com moderação, esta opção também pode ser adotada por profissionais de outras áreas de atuação.

Apesar de todas as mudanças que listamos acima, Cezar acredita que o currículo não desaparecerá. “As empresas mudaram a forma de recrutar e selecionar, mas em todas elas o currículo é a base principal para a existência e evolução dos processos seletivos”, explica.

De uma forma ou de outra, mantenha seu currículo sempre atualizado. Afinal, nunca se sabe quando uma nova oportunidade de emprego pode surgir.

O emprego ideal

Por Raissa Coppola

Quando falamos sobre emprego dos sonhos, é natural que cada pessoa pense em um determinado tipo de vínculo. Há quem pense em trabalhar muito, quem sonhe com um emprego em um lugar paradisíaco e ainda quem almeje um trabalho normal, mas com muitos benefícios. Para Cezar Tegon, membro do comitê de criação do CONARH, é natural que as pessoas projetem um tipo de trabalho perfeito. Mas, segundo ele, juntamente com a projeção, vem a expectativa e a idealização, que acabam muitas vezes por causar decepção e frustração.

De acordo com Cezar, as pessoas têm motivos singulares para se decepcionar, mas, em geral, os quesitos mais comuns são salário, problemas com a chefia, colegas e políticas da empresa. “Muitas decepções acontecem porque não houve uma pesquisa por parte do candidato sobre o histórico da empresa e da vaga. É fundamental questionar e perguntar, de forma amistosa, claro”, explica. O profissional acredita também que, ao fazer essa investigação, a chance da combinação entre empresa e funcionário dar errado diminui consideravelmente.

Vale a pena sonhar?

Cezar acredita que encontrar o emprego ideal é um desafio que pode e deve ser perseguido. Porém, é preciso compreender que toda organização tem pontos bons e ruins e prós e contras. Essa mentalidade faz a tarefa ficar mais fácil. “O emprego dos sonhos é aquele em que o profissional se sente feliz, reconhecido e pode se expressar com liberdade. Se o funcionário estiver feliz, trabalhará com afinco e a relação tende a ser duradoura”, completa.