A ABRH-Nacional tem um recado para você

Durante mais de quatro anos, o blog da ABRH-Nacional esteve aqui, buscando interagir e levar assuntos relevantes para os nossos leitores – líderes, gestores de RH, funcionários, colaboradores… praticamente qualquer pessoa que vive e respira esse mercado de trabalho.

Agora chegou o momento de mudar para um novo teto, uma nova casa: vamos concentrar nossos esforços em nossa fanpage no Facebook.

Foram quatro anos de sucesso. Neste tempo, publicamos 801 textos de diversos temas. Recebemos mais de 458 mil visitas – uma média de mais de 100 mil visitantes por ano, que deixaram 315 comentários com mensagens positivas e dúvidas. Estas pessoas foram vocês e ficamos felizes de saber que estiveram conosco durante todo este tempo e nos ajudaram a conquistar todas estas marcas.

Trabalhamos agora para melhorar nosso canal de comunicação com vocês. Temos muitos planos para potencializar a nossa página do Facebook em um local de informação e conhecimento, assim como sempre aconteceu em nosso blog, sempre com uma linguagem bem-humorada e próxima do leitor (agora “fã”).

Esperamos agora contar com a sua participação ativa na fanpage da ABRH-Nacional. Curta a nossa página para acompanhar as atualizações e será bem-vindo para comentar sempre que quiser. Na verdade, já existem mais de 4 mil pessoas fazendo isso por lá. Basta clicar aqui para conferir.

“Redes sociais podem reter e atrair talentos”, diz VP do Facebook

Com um turn over médio de 61% entre os jovens funcionários, a empresa amricana de venda online de produtos eletrônicos, a Best Buy, conseguiu reduzir a rotatividade de empregados para uma média entre 8 a 12%. A empresa criou a rede social Blue Shirt Nation e conseguiu conectar jovens com afinidades.  Eles começaram a discutir, por meio de fóruns virtuais, os caminhos a trilhar na carreia e, inclusive, puderam trocar experiências sobre o trabalho, técnicas de vendas, entre outros. Com isso, a empresa conseguiu engajar os jovens e reter talentos.

O exemplo de impactos positivos que as redes sociais podem trazer para o ambiente de trabalho foi apresentado pelo vice-presidente de vendas para a América Latina do Facebook, Alexandre Hohagen. O executivo apresentou ontem (16/08) à platéia do 37º Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas como as redes sociais estão transformando a sociedade e colocando as pessoas no centro das discussões. “Com as primeiras ferramentas disponibilizadas pela Internet, as pessoas utilizavam apelidos. Hoje, a identidade das pessoas é real para relacionarem-se no meio virtual”, explicou.

Sobre a eterna discussão em bloquear ou não o acesso de funcionários às redes sociais, Hohagen acredita que é um caminho sem volta. “Atualmente, qualquer pessoa com celular pode acessar o Facebook e outras redes. Não há como controlar”, alertou. Além disso, ele mostrou uma pesquisa do grupo ClearSwift que revelou que cerca de 57% dos jovens entrevistados acessam as redes durante o trabalho. Dentre os jovens questionados pelos pesquisadores, 21% afirmou que deixaria a empresa caso esta bloqueasse o acesso às redes.

Para Hohagen, estar conectado às redes sociais é essencial para que os jovens se mantenham ativos e produtivos. O executivo citou uma segunda pesquisa, realizada pela Companhia McKinsey, que mostra que os jovens se mantêm mais criativos, engajados e conectados. Além disso, o mesmo estudo concluiu que 8% das empresas entrevistadas relatou aumento na margem de lucro a partir das redes sociais.

Questionado sobre os desafios do executivo para o Facebook no Brasil, Hohagen apontou um aspecto muito próximo da realidade dos profissionais de recursos humanos: “Preciso de gente capacitada, novos talentos para montar a equipe de operações da empresa no Brasil”.

A Geração NET está mudando as empresas

Um dos principais palestrantes do Congresso Mundial de RH é Don Tapscot, professor da Escola de Gestão John L. Rotman, e um dos principais pensadores sobre as mudanças promovidas pela Internet no mundo organizacional. Ele prevê que, mesmo com a recessão econômica no mundo, as empresas vão enfrentar uma guerra pela conquista de talentos com a aposentadoria em massa dos profissionais nascidos no pós-guerra, o que insere a geração Y (que ele chama de geração NET) definitivamente no cenário corporativo. Entre muitos conselhos significativos, Tapscot alerta:

1. “Repense o recrutamento: comece relacionamentos. Não desperdice o dinheiro da empresa pagando anúncios em jornais e revistas em busca de talentos: use as redes sociais para influenciar os jovens sobre a relevância da sua empresa”.

2. “Repense o treinamento: invista em processos de aprendizado duradouros. Ao invés de investir em programas de treinamento separados do trabalho, procure aprimorar o aprendizado que surge no interior mesmo dos processos de trabalho”.

3. “Repense a gestão: novas plataformas colaborativas possibilitam um novo modo de trabalhar, com dramático aumento de performance”.

Veja no vídeo abaixo uma entrevista de 26 minutos com Don Tapscot justamente sobre o tema que ele vai debater no Congresso Mundial de RH, realizada pela TVO, em inglês.

Blogs devem aproveitar comunicação em rede

Presidente da ABRH-Nacional

Presidente da ABRH-Nacional

O que estamos descobrindo com o blog da ABRH-Nacional é que as ferramentas de comunicação em rede, para se tornarem significativas, precisam valorizar aquilo que elas têm de insuperável, ou seja, a capacidade de conectar pessoas”, assinala Ralph Arcanjo Chelotti, Presidente da ABRH-Nacional.

Mais do que produzir mensagens para serem difundidas aos gestores de pessoas e jornalistas interessados no tema Recursos Humanos, o blog da ABRH-Nacional optou por debater esses temas por meio das pessoas, que expressam suas opiniões em vídeos digitais produzidos especialmente para o canal de comunicação:

Assim, quando criamos as condições para que os públicos que se relacionam com a ABRH-Nacional expressem suas visões de mundo, opiniões, ideias, expectativas, todas registradas em textos, fotos e vídeos, mostramos que as relações são o que importa. As estatísticas do blog, sempre crescentes, mostram que essa visão, de abrir as portas para que o nosso público se expresse, permite que o blog se torne relevante para essas pessoas, que vão ajudar no processo de divulgação do conteúdo, revelando que o blog é, antes de mais nada, uma ferramenta de relacionamento”, explica.