CONARH 2012 – A Força da Estratégia e da Liderança

Por Evelyn Carvalho

A manhã do último dia do CONARH 2012 contou uma palestra magna do Secretário de Estado de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame. Durante a apresentação, que teve como tema “A Força da Estratégia e da Liderança”, o secretário abordou a sua experiência e a sua visão sobre a gestão pública.

A trajetória profissional de Beltrame teve início há 30 anos na Polícia Federal, onde atuou como agente e delegado. Em 2007, após o convite do governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, assumiu a pasta de Segurança. “Pensei: ‘se eu vim até aqui eu vou tentar ser gestor disso’. Eu não poderia perder esta oportunidade”.

Conquistar a credibilidade da população e obter resultados que pudessem ser percebidos pelas pessoas foram dois de seus primeiros objetivos quando assumiu a secretaria. “O serviço público precisa de resultados com transparência”, declarou. Como um gestor, o secretário mantinha ainda a atenção com a sua postura, na medida em que suas ações impactavam na imagem que a sociedade tinha da corporação.

Beltrame destacou a importância do investimento na formação dos policiais, que estão na ponta do processo. Mais do que isso: afirmou que é fundamental entender o contexto social e familiar dos profissionais para engajá-los em seus projetos. “É preciso fazer um esforço, até mesmo físico, para mostrar a todos da corporação as suas ideias. Eles podem não concordar, mas vão me entender e ver que o meu coração bate como os deles”.

A habilidade para buscar as pessoas certas para dar início aos projetos também foi lembrada pelo secretário. Foi assim que ele se preparou para dar início ao projeto das UPPs – Unidades de Polícia Pacificadora, que mudaram o cenário de violência no Rio de Janeiro. “Nós fomos onde o Estado nunca tinha ido. Levamos a polícia, mas os serviços públicos têm que vir junto”.

Quando perguntado sobre a preocupação com os grandes eventos que serão sediados no Rio de Janeiro, o secretário declarou que, mais importante do que garantir a segurança durante a Copa do Mundo ou as Olimpíadas, é necessário se preocupar com quem vive na cidade. Um plano consistente de segurança, segundo ele, seria um dos legados mais importantes que esses eventos podem deixar para a população.

Para dar conta de todos esses desafios, Beltrame não abriu mão do otimismo. “Ser pessimista é muito mais fácil do que ser otimista. O pessimista se acomoda com a situação, enquanto o otimista fica se cobrando 25 horas por dia por uma solução”.

O secretário defendeu a utilização de uma política transparente de resultados na esfera pública. Afirmou que, tanto para preparar um sucessor quanto para incorporar profissionais na equipe, a melhor maneira é estruturar as ações em um projeto mais amplo e claro para todos. “Um pessoa que chegar hoje à secretaria, em qualquer área, encontrará um projeto. Basta ela ser otimista e acreditar neste projeto para que ela possa fazer a difereça”.

Fotos: Ana Fuccia

Anúncios

Assessoria de imprensa oficial do CONARH 2012

O CONARH 2012 está chegando  e nós queremos que jornalistas e empresas e expositores que participarão do evento estejam completamente alinhados com a nossa assessoria de imprensa oficial, a XComunicação. Portanto, caso haja alguma dúvida em relação aos assuntos relacionados à imprensa, entre em contato pelo conarh2012@xcomunicacao.com.br

Inscrições para o Prêmio Ser Humano Oswaldo Checchia 2012 já estão abertas

Separem os seus melhores trabalhos, pois as inscrições para a edição 2012 do Prêmio Ser Humano Oswaldo Checchia já estão abertas e vão até o dia 13 de junlo. A premiação acontece desde 1993 e é uma maneira de conhecer e reconhecer as práticas, iniciativas e experiências de sucesso no desenvolvimento das pessoas dentro e fora das organizações.

“Nestes 20 anos de premiação, mais de 180 cases foram premiados, tornando-se uma referência para gestores e empresas que pretendem melhorar as suas práticas para a valorização de pessoas nas organizações”, explica Patricia Bonfim, coordenadora do prêmio desde 2010.  Ela destaca também a importância de cada um dos trabalhos ganhadores não apenas pelo que os gestores e empresas responsáveis alcançaram, mas como uma forma de difusão de conhecimento por todos os profissionais da área.

Podem se inscrever trabalhos que se enquadram nas modalidades Gestão de Pessoas – categorias Empresa, Profissional ou trabalho Acadêmico (conclusão de curso, projetos de pesquisas de mestrado, doutorado ou pós-graduação) – e Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social – categorias Empresas Cidadãs e Organizações do 3º Setor. “O Prêmio Ser Humano Oswaldo Checchia é mais que uma premiação dos melhores cases da área de Recursos Humanos e Gestão de Pessoas, pois representa uma verdadeira oportunidade de compartilhar conhecimentos que foram aplicados, com resultados comprovados e bem sucedidos em diversas organizações”, acrescenta Patricia.

As inscrições para o prêmio podem ser feitas pelo site www.premioserhumano.com.br, que também tem maiores informações e o regulamento completo. Em caso de dúvidas, você pode entrar em contato pelo email premioserhumano@abrhnacional.org.br ou pelo telefone (11) 3138-3420.

Informativo da ABRH-Nacional no Estadão 15/03/2012

Perdeu o Estadão desta quinta-feira? Não se preocupe. Aqui está a versão digital do Informativo da ABRH-Nacional com as notícias da associação e uma entrevista com a consultora Andrea Huggard-Caine, integrante do comitê de criação do CONARH ABRH 2012, sobre RH e sustentabilidade. Leia aqui.

Informativo da ABRH-Nacional no Estadão 16/02/2012

Perdeu o Estadão desta quinta-feira? Não se preocupe. Aqui está a versão digital do Informativo da ABRH-Nacional com as notícias da associação e uma entrevista com Marcelo Arantes, vice-presidente de Pessoas e Organização da Braskem, que fala sobre a formação de novos líderes, tema que discutirá também no 38º CONARH. Leia aqui.

Troca de área pode ser alternativa ao desânimo na empresa

Existem vários motivos pelos quais funcionários podem ficar desmotivados em relação aos seus trabalhos: salário, problemas de relacionamento com a equipe, chefia, pouca chance de ascensão na carreira, entre outros. Em casos como estes, a primeira solução que passa pela cabeça do profissional é pedir demissão. Porém, uma saída muito pouco utilizada é a mudança de área dentro da própria empresa. Quando há o desejo de permanecer na companhia, trocar de setor pode ser uma alternativa.

Antes disso, porém, é preciso avaliar com calma as opções que a empresa dispõe e como você, funcionário, se sentiria se trabalhasse em outra função. Se a mudança é mesmo o caminho, o primeiro passo para ela seja realizada é conversar com o superior imediato ou o setor de Recursos Humanos para tentar uma recolocação.

A importância do perfil

O funcionário manifestou a mudança de área, o RH concordou, o superior aprovou, mas a vaga que ele quer não tem nada a ver com o perfil comportamental. Como agir quando isso acontece? É uma situação delicada, mas o colaborador precisa entender que a troca de função deve ser um casamento entre aptidão e oportunidade. Não adianta ser tímido e trabalhar em um cargo de vendas (a não ser que ele consiga contornar essa dificuldade, é claro).

Mudanças exigem paciência e flexibilidade

Normalmente, trocas de posições não acontecem do dia para a noite. Por conta dos processos administrativos e burocráticos, é possível que a mudança de área de um colaborador aconteça em longo prazo. O funcionário nem sempre compreende a importância da espera e, muitas vezes, entende o período como um castigo. Para que isso não aconteça, é preciso deixar claro a ele que, para o sucesso da realocação, é preciso planejá-la com calma e conhecimento.